terça-feira, 24 de março de 2015

RIACHO DO OLHO D'ÁGUA REGISTRA UMAS DAS SUAS MAIORES CHEIAS NOS ÚLTIMOS 25 ANOS (Natureza)

RIACHO DO OLHO D'ÁGUA ... CHEIA HISTÓRICA ... REGISTRO ...




Na manhã de hoje, estive visitando o RIACHO DO OLHO D'ÁGUA, para testemunhar e fotografar os "rastros" deixados pelo mesmo, em uma das suas maiores enchentes registradas nos últimos 25 anos (à ultima cheia significativa havia sido no ano de 1989).
Segundo o que observei e apurei, na altura do SÍTIO ESPERA (no trecho que corresponde às terras do Sr. GORDIANO, ás águas de tal riacho alcançaram aproximadamente 70 metros de largura por 03 metros de altura (no local mais profundo).
Caracterizando assim, uma das maiores cheias registradas nos últimos anos.
Vale salientar ainda, que no sítio ESPERA (que fica à altura do médio RIACHO DO OLHO D'ÁGUA, choveu 100 milímetros entre a tarde e a noite de ontem.

OBSERVAÇÃO:
Afirmo isso com certeza plena, pois desde o meu tempo de menino, que "perambulo" e o visito com tamanha frequência, e portanto, o conheço com afinco!
Nas fotos ... feitas hoje pela manhã, enquanto visitava tal riacho ... um pouco da beleza natural de tal local ... e as "marcas" deixadas pela cheia.
FONTE E TEXTO: Dean Carvalho

segunda-feira, 10 de março de 2014

COMO A CIÊNCIA EXPLICA O AMOR, O SEXO E A TRAIÇÃO ( As mulheres entram no cio ? )

Mulheres entram no cio?


Os cientistas concordam em uma coisa: existe um período do mês em que, em tese, a mulher está mais propensa a ser seduzida. Todo o resto ainda é motivo de controvérsia. No livro A Química entre Nós (Ed. BestSeller, 348 págs.), o psiquiatra Larry Young defende que no período fértil a mulher se comporta diferente e, acredite, os homens conseguem perceber. "Provavelmente, elas agem de um jeito mais sexy", diz. Nesse período, elas ficariam mais sedutoras e atraídas pelos machões. Segundo o pesquisador, perto da ovulação as mulheres têm uma redução nas sensações de ansiedade e risco. Assim, ficam mais dispostas a uma aproximação e sentem mais confiança em sua atração sexual. Alguns pesquisadores, no entanto, ainda são reticentes sobre o assunto. Em linhas gerais, eles argumentam que a mulher, diferentemente dos animais, ainda é muito mais "regulada" pela vida social e cultural.
Fonte: Revista Veja/Ciência

domingo, 9 de março de 2014

COMO A CIÊNCIA EXPLICA O AMOR, O SEXO E A TRAIÇÃO ( Porque elas gostam mais dos "BAD BOYS" ? )

Por que elas gostam mais dos 'bad boys'?


Porque eles detêm a melhor carga genética. Explicação evolutiva: lá nos séculos passados, quando para comer era preciso caçar, os homens mais fortes, que transpiravam agressividade e segurança eram também aqueles que conseguiam mais comida. Eram eles ainda que tinham mais sucesso ao proteger a família de possíveis inimigos — todo bad boy gosta de uma briga. Mas isso não quer dizer que elas queiram construir, de fato, um "felizes para sempre" com eles. Pesquisas vêm demonstrando que a atração pelos caras maus é mais forte no período fértil da mulher. Em outras palavras, elas tendem a procurar os machões com o único intuito de usar o que eles têm de melhor: o espermatozoide. No resto do período, aquele cara que parece ser um bom marido e um bom pai tem mais chances.
Fonte: Revista Veja/Ciência


sábado, 8 de março de 2014

COMO A CIÊNCIA EXPLICA O AMOR, O SEXO E A TRAIÇÃO ( O que as mulheres procuram ? )

O que as mulheres procuram?


Inanna, rainha da antiga Suméria (antiga civilização, existiu entre 5.300 e 2.300 anos atrás), afirmava que seu parceiro era um homem destemido e notável. O objeto de amor de Inanna pode ser considerado o resumo do que as mulheres procuram: a capacidade do sucesso. Em outras palavras, não é que uma mulher esteja literalmente atrás do dinheiro, do saldo gordo em conta bancária. O que ela quer, na verdade, é encontrar um parceiro que seja capaz de obter sucesso. Quando se depara com esse homem, o que os genes femininos leem é: esse homem consegue prover pela família, ele tem sucesso nas empreitadas e, assim, eu e minha prole ficaremos seguros.
Fonte: Revista Veja/Ciência

sexta-feira, 7 de março de 2014

COMO A CIÊNCIA EXPLICA O AMOR, O SEXO E A TRAIÇÃO ( O que é o amor ? )

O que é o amor?


Esqueça todo o romantismo, Shakespeare e Vinícius de Moraes. O amor pode até bater lá pelas bandas do coração, mas ele é resultado de complexas reações químicas que acontecem no cérebro — e nada mais são do que resultado do processo evolutivo humano. Para economizar a gastança de energia e tempo usados no processo da corte, fomos selecionados para concentrar nossa atenção em uma só pessoa — e, assim, criar com sucesso nossos descendentes. Nesse processo estão envolvidos, basicamente, três neurotransmissores: a dopamina, a norepinefrina e a serotonina, todos produzidos por áreas ligadas ao sistema de recompensa e prazer do cérebro. As mãos tremem e o coração e a respiração aceleram quando o ser amado está por perto? Não acuse o cupido. Estão em ação a dopamina e a norepinefrina, substânctias que levam à alegria excessiva, à falta de sono e o sentimento de que o amado é único, e de que é quase impossível compará-lo com alguém. Já aquela compulsão e obsessão pelo parceiro são causadas por baixos níveis de serotonina.
Fonte: Revista Veja/Ciência

quinta-feira, 6 de março de 2014

MULHERES SE SENTEM ATRAÍDAS POR HOMENS "MACHÕES" DURANTE PERÍODO FÉRTIL ( "Comportamento Humano " )

Comportamento


Para pesquisadores, essa pode ser uma consequência da evolução, quando mulheres procuravam homens com melhores genes para se reproduzir

Comportamento: essas mesmas características, porém, não são as tipicamente procuradas para relacionamentos longos
Comportamento: essas mesmas características, porém, não são as tipicamente procuradas para relacionamentos longos(Thinkstock)
Um novo estudo mostrou que as mulheres mudam suas preferências quanto ao tipo de homem pelo qual se sentem atraídas dependendo do período do mês. De acordo com a pesquisa, devido a uma consequência da evolução, elas tendem a preferir homens com características físicas notoriamente masculinas durante o período de ovulação. O artigo foi publicado nesta segunda-feira, no periódico Psychological Bulletin.
CONHEÇA A PESQUISA

Título original: Do Women’s Mate Preferences Change Across the Ovulatory Cycle? A Meta-Analytic Review. 

Onde foi divulgada: periódico Psychological Bulletin

Quem fez: Kelly Gildersleeve, Martie G. Haselton e Melissa R. Fales

Instituição: Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos

Resultado: Analisando diversos estudos anteriores, os pesquisadores concluíram que as mulherem tendem a preferir parceiros com características físicas mais masculinas durante seu período fértil, como uma consequência da evolução.
Pesquisadores da Universidade da Califórnia, em Los Angeles, revisaram 50 estudos realizados sobre o assunto e concluíram que o sexo feminino evoluiu para preferir parceiros com comportamento dominante, certo tipo físico e facial e um determinado odor corporal. Essas mesmas características, porém, não são as procuradas para relacionamentos longos.
Uma das hipóteses é que essa mudança de preferência seria uma adaptação evolutiva, que guiaria o interesse reprodutivo de nossos ancestrais, muito antes que a medicina moderna, as melhorias na alimentação e no saneamento básico reduzissem as taxas de mortalidade infantil. "Segundo essa teoria, as mulheres que buscavam essas características nos parceiros tinham mais chances de transmitir bons genes para seus filhos, aumentando suas chances de sobrevivência  e sucesso reprodutivo", explica Kelly Gildersleeve, doutoranda em psicologia e uma das autoras do estudo.


Olfato apurado – Das características que influenciam a preferência feminina durante a ovulação, a resposta aos odores corporais masculinos parecem ser a evidência mais sólida, de acordo com os autores.
Em alguns dos estudos específicos de odor realizados até agora — confirmados na revisão —, os pesquisadores pediram que as mulheres cheirassem camisetas que tinham sido utilizadas por homens com diversos níveis de simetria corporal e facial — considerados pontos fortes do ponto de vista genético. Os resultados mostraram que as mulheres preferiram  o cheiro dos homens mais simétricos quando estavam no período mais fértil de seu ciclo menstrual. 
Enquanto a mudança de preferências sexuais nas mulheres é debatida, no reino animal esse tipo de comportamento já foi documentado em diversos bichos, de ratos a orangotangos. Fêmeas de chimpanzés, por exemplo, preferem ter relações sexuais com machos diferentes quando estão na fase fértil e quando não estão.
"Até a década passada, nós aceitávamos a noção de que a sexualidade humana feminina era radicalmente diferente das outras espécies e não era influenciada pelos hormônios ligados à reprodução, como nos outros animais. Então surgiram estudos que desafiaram o conhecimento tradicional", diz Martie Haselton, professora de psicologia e estudos da comunicação na universidade.
FONTE: Revista Veja/Ciência

quarta-feira, 26 de fevereiro de 2014

TELESCÓPIO VÊ ÁGUA NO PLANETA-ANÃO CERES ( Astronomia )

O planeta-anão Ceres, com órbita entre Marte e Júpiter, possui água em sua superfície, indicam imagens do telescópio espacial Herschel, que enxerga infravermelho. Seria uma descoberta trivial, não fosse pelo fato de que teorias físicas proíbem objetos úmidos de se formarem ali.
O estudo desse pequeno mundo –habitante da zona conhecida como Cinturão de Asteroides– não teria em princípio a capacidade de abalar teorias astronômicas importantes. A nova descoberta sobre Ceres, porém, pode levar até mesmo a uma revisão das teorias de por que a própria Terra possui água.
As moléculas de H2O presentes no planeta-anão estão na forma de vapor, que emana de duas fontes diferentes, afirma estudo sobre a descoberta, publicado na edição de hoje da revista "Nature". É relativamente pouca água –seis litros sendo liberados por segundo–, mas é o suficiente para estimular astrônomos a rever teorias sobre a formação dos Sistema Solar.
No centro da discussão está a questão da diferença entre um cometa e um asteroide. Um cometa, pela definição clássica, é um corpo celeste de órbita alongada, capaz de viajar para os confins do Sistema Solar, e com um bocado de gelo de água em sua composição. Já um asteroide é um corpo seco e rochoso, com órbitas confinadas à parte mais interna do Sistema Solar, antes de Júpiter.
Luciano Veronezi/Editoria de Arte/Folhapress
ESTRANHO NO NINHO
Acreditava-se que Ceres, promovido a planeta-anão apenas em razão de seu tamanho, seria essencialmente um asteroide. Ele habita, aliás, uma região orbital conhecida como Cinturão de Asteroides.

Nessa região, o calor do Sol é forte demais para que seja possível o acúmulo de gelo na superfície de um corpo pequeno. Objetos retendo H2O, em princípio, só se formam em órbitas mais distantes.
"Ceres, em teoria, deveria ser rochoso e seco", disse à Folha Michael Küppers, astrônomo da Agência Espacial Europeia que liderou a descoberta anunciada agora. "Talvez Ceres tenha surgido no próprio cinturão de asteroides, mas depois tenha coletado matéria de objetos que vieram do Sistema Solar exterior e se chocaram com ele."
Outra hipótese é que Ceres tenha se formado longe do Sol e depois sido tragado para perto. Algo capaz de fazer isso seria uma "migração" da órbita de Júpiter, o segundo corpo mais maciço do Sistema Solar, capaz de desestabilizar objetos menores.
"Uma pista inicial de que planetas gigantes do Sistema Solar podem sofrer migração drástica veio em 1995, com a descoberta de alguns planetas extrassolares gigantes orbitando estrelas a uma distância menor do que a do Sol a Mercúrio –distância orbital onde não poderiam ter se formado", escreve Humberto Campins, da Universidade da Flórida Central, comentando a descoberta de Küppers.
A Terra também formou-se relativamente perto do Sol e, longe de cometas que poderiam "abastecê-la", não poderia ter água. Nossos oceanos, porém, podem ter sido semeados por asteroides "úmidos" –objeto de existência questionada até agora.

Não se sabe de onde sai o vapor que Ceres exala. Küppers suspeita que sejam ou crostas de gelo evaporando no fundo de crateras ou "criovulcanismo" –vulcões alimentados por gelo em vez de lava. A sonda espacial Dawn, que visitará Ceres em 2015, poderá resolver o mistério. 


FONTE: Folha.com/ciência